Artigos

Um exemplo a ser seguido

Nós, brasileiros, hoje, estamos preocupados com o país e, nos perguntamos sobre nosso futuro. E mais, para onde caminha o gigante, que era nosso orgulho até bem pouco tempo, questionando o que ele nos oferece de volta, contribuindo para o nosso crescimento na sociedade que construímos.

 

escola-coreana
Fonte: Google Imagens

Olhando para o mundo vemos o exemplo da Coreia do Sul, cujos produtos são consumidos com satisfação pelo valor de sua compra. Poucos se dão conta que, analisando profundamente, podem encontrar um pequeno país da Ásia, apaixonado pela Educação. Que compram produtos criados por estudantes, possivelmente, os melhores do mundo. Que dispõe das melhores escolas que operam o melhor ensino básico do planeta. Por fora, a escola não tem nada de mais, estruturas simples, 35 alunos por classe. Mas a diferença está no que conta uma Professora, mestre em Educação, como a maioria de seus colegas. Na sala de aula, encontra-se tudo o que é necessário para educar com motivação. São oito horas por dia na escola. Estressante? Não, é divertido! Todos têm notas acima de oito. O segredo é não permitir que o aluno passe um dia sem entender a lição, diz a professora, que ganha o equivalente a R$10,5 mil por mês. É a média na Coreia, onde os professores têm curso superior e são atualizados e avaliados a cada dois anos. Se o aluno não aprende, o professor é reprovado.

Tudo isso num país que nos anos 50 estava destruído por uma guerra civil que o dividiu ao meio, deixou um milhão de mortos e a maior parte da população na miséria. Um em cada três coreanos era analfabeto. Hoje, oito em cada dez chegam à Universidade. A virada começou com uma lei que priorizou o ensino básico. Os recursos foram concentrados nos primeiros oito anos de estudo, tornados obrigatórios e gratuitos. O ensino médio tem 50% de escolas privadas e são todas pagas pelo Governo, que incentiva pesquisas estratégicas.

 

O fato é que após a reforma da Educação a economia começou a crescer em média 9% ao ano, durante mais de três décadas. E hoje, graças à multidão de cientistas que o país forma anualmente, está no primeiro mundo, tendo como cartão de visitas uma incrível capacidade de inovar em campos avançados da tecnologia. “O segredo é a família, com pais comprometidos, criando alunos motivados e professores entusiasmados”, fala uma professora. O governo concorda. “Pais que não tiveram a oportunidade de educação lutam para que seus filhos tenham o melhor. “Foi a paixão pela Educação que fez a Coreia crescer”, concorda o pai de quatro filhos, que como a média dos coreanos gasta 20% da renda em cursos extracurriculares para reforçar o aprendizado. Os filhos falam inglês fluente e os pais compram livros às dezenas.

 

Um pai descreveu o que a educação fez pelo país: “Quando ia para escola nos anos 70, muitos colegas não tinham nem o que comer”. O avô lembra que no tempo dele não tinha livros. Agora nada falta para neta, que passa 15 horas por dia na escola. A corrida para entrar numa das três melhores universidades do país é disputada. “Eu sinto responsabilidade com relação a minha família e meu país. Mas também porque um dia eu vou ter filhos”, diz um aluno. No Ministério da Educação e Recursos Humanos, o diretor explica: “Os coreanos não querem ser perdedores. Por isso a educação é voltada para a economia. Estão convencidos de que Economia forte significa um país forte”.

 

Enquanto isso, no Brasil, onde estamos? Muito a corrigir, mas não é impossível. Basta que comecemos a olhar com entusiasmo e crença na formação dos nossos filhos, fazendo deles cidadãos conscientes e capazes. É uma tarefa que é nossa. Só nossa. Ninguém fará isso por nós!

 

*Ozires Silva é reitor da Unimonte e presidente do Conselho de Administração da Anima Educação. Já ocupou a presidência de empresas como Petrobras e Embraer. Autor do blog www.blogdoozires.com.br.

 

Artigo publicado no Jornal A Tribuna, em 05 de setembro de 2015.