Artigos

Os primeiros 45 anos da Unimonte

Crédito: divulgação.

“Lanço minha alma no espaço à procura de um bem sempre eterno, e ela logo retorna com um pouco de céu e de inferno”, Omar Khayyam (poeta nascido há mais de 900 anos, na Pérsia)

 

Sonhos! Sonhos! Sonhos!

 

Ao longo de nossas vidas, quantas vezes ouvimos essa palavra, em todas as línguas ou dialetos, perto ou mais longe de nós. Tanto por crianças quanto por adultos. Seja para expressar uma ficção, um desejo, ou algo de mistério ou irreal, mas, quaisquer que sejam os pensamentos, sempre trazem fatores diversos.  Sobretudo os de fazer algo ou de almejar um futuro que seja melhor.

 

Sonho é uma palavra doce, possivelmente uma das primeiras entendidas pelas crianças, que tem ensejado amplas variedades de consequências, artísticas ou empreendimentos, efeitos de desejos, ansiedade ou inquietação. Tudo buscando chegar a um algo almejado e cultivado a partir do cultivo de um sonho.

 

Sob o manto de um trabalho em favor da Sociedade Santista, um sonho de destacados pioneiros, há 45 anos, em 10 de abril de 1971, foi criado o Centro Universitário Monte Serrat (Unimonte). Em Santos, educadores e empresários, cujos nomes devemos ter o orgulho de lembrar – Walter José Lanza, Raul Tavares da Silva, José Oswaldo Passarelli, Maria Ottilia Pires Lanza, Victório Lanza Filho e Túlio Di Renzo – deram impulso aos seus sonhos com a criação da Associação Educacional do Litoral Santista (AELIS), então mantenedora da UNIMONTE.

 

Em 2006, a Anima Educação e Cultura adquiriu a Unimonte, que se empenhou em fazer ampla reestruturação administrativa, financeira e acadêmica, trabalhando com as pessoas e colocando foco numa gestão integrada, procurando todo o tempo em aperfeiçoar a qualidade do ensino e melhorar os padrões de aprendizagem para seus estudantes. Muito trabalho e muito empenho de professores e administradores, seguidos por dedicados alunos, faz com que esses primeiros 45 anos possam ser comemorados… e muito!

 

Não sabemos quantos filhos desta terra passaram pelos bancos escolares da instituição. Muitos, bem-sucedidos graduados, estão ainda prestando serviços à Sociedade Brasileira, preparados que foram pelo enorme poder da Educação de transformar pessoas. E melhor: o trabalho continua e muitos outros ainda se juntarão ao patrimônio humano criado pelo sonho de 45 anos atrás.

 

Assim são os empreendimentos que nascem dos sonhos, mesmo sem as dimensões do palpável e do dimensionado. Já sabemos, e muito tem sido tratado por estudiosos, a medição do que acontece depois que sonhos nutridos por um ou por muitos se tornam realidade, como é o caso da Unimonte. Sabemos que tais benesses atingem mais que uma geração. Os efeitos da miríade de ideias, geradas no passado e alimentadas pelos nossos sonhos, estão contidas no que temos hoje para desfrutar, percebendo que fazem nossas vidas melhores. O que importa é que mudam o que está à nossa volta!

 

A Unimonte é um empreendimento, como muitos outros, mas vale a pena rememorar sua história de vida, que chegou ao sucesso, praticando o essencial, trabalhando e construindo. O resultado tem como base o contínuo esforço de realizar, e fica aqui o nosso desejo que a estrada do passado continue a ser palmilhada, vivendo o presente, mas com olhar no futuro, contribuindo para graduar e formar cidadãos e brasileiros vencedores, para que consigamos a transformação da comunidade, de nossa região, e do País por meio da Educação. Santos e o Brasil precisam.