Artigos

A Tecnologia Ajuda a Aprender, por Ozires Silva

Crédito: Divulgação

Milhões de pessoas buscam hoje o conhecimento, mas enfrentam o conservadorismo das velhas instituições. São obstáculos que impedem a realização das aspirações da multidão de seres humanos que gostaria de poder trabalhar, aprender e estudar em qualquer momento e lugar. Neste novo mundo cada vez mais congestionado – em que os jovens devem aprender a equilibrar suas demandas de casa: trabalho, escola e família –, a vida cria um conjunto de desafios, os quais os estudantes precisam estar preparados para superar.

 

Os produtos modernos, na atualidade à disposição de todos, são progressivamente mais complexos e dispõem de atributos multiutilitários capazes de ampliar seus usos e aplicações. São criados, projetados e fabricados por estruturas competentes compostas de pessoas criativas e inteligentes capazes de fazer chegar ao mercado produtos desejados e, mais do que isso, úteis para tornar a vida melhor, mais produtiva e competente.

 

As pessoas precisam ser educadas e treinadas para que possam satisfazer suas necessidades do trabalho e para realizar o que as empresas e organizações precisam para produzir e entregar ao uso e aplicação tudo aquilo que crescentemente preenche as prateleiras de ofertas em todo o mundo. A pergunta que nos chega seria sobre o que fazer diante das necessidades de milhões de pessoas, jovens ou adultas, que querem e precisam de acesso fácil ao conhecimento e no tempo certo?

 

As tecnologias emergentes já fazem e podem fazer futuras revoluções na universidade, na pesquisa científica e na economia dos países. A computação móvel e o conteúdo aberto já estão acontecendo, a explosão dos livros eletrônicos avança com velocidade, enfim, tudo está passando a determinar novos horizontes para métodos de ensinar e de aprender, adaptados às populações dos variados países do mundo.

 

 

Nesse contexto, o mundo precisa de uma nova universidade. O velho papel da academia e o modo de preparar os jovens para a vida futura estão mudando. Ganham forma novas maneiras de conceber e pensar. E a humanidade está avançando com velocidade, requerendo cada vez mais especialistas em quantidade e qualidade para manter o atual e a ampliada impulsão do futuro, em processo contínuo de aceleração.

 

Cabe à academia adaptar o ensino e as práticas de aprendizagem não apenas à satisfação das necessidades de hoje dos alunos, mas enfatizar a investigação crítica e a flexibilidade mental, para dar aos estudantes as ferramentas necessárias à execução de suas tarefas. , conectá-los às questões sociais e produtivas mais amplas, e encorajá-los a incluir na sua aprendizagem a solução de problemas complexos em larga escala.

 

O mundo caminha e já enxerta essa realidade. Muito mais do que uma coleção de materiais para cursos online, o conteúdo aberto transforma-se na resposta ao desejo à informação e ao conhecimento em áreas onde tal acesso é difícil. O desenvolvimento das tecnologias exigidas pelos novos sistemas possíveis ao que podemos chamar, Educação Digital, podem ainda estar em curso, mas nos próximos anos deverão chegar ao mercado os primeiros sinais de mudança que nos levarão a horizontes bem mais amplos do que os que temos agora.

 

São inovações desse tipo que geram oportunidades que não podem ser perdidas. As formas de computação móvel podem, muito mais favoravelmente, permitir o aproveitamento do tempo disponível para preparar melhor os alunos, de modo a que eles consigam maiores graus de contribuição, colaboração e comunicação. Em resumo, além de tudo, o seu progresso e sucesso pessoais!

 

* Ozires Silva é reitor da Unimonte e já ocupou a presidência de empresas como Petrobras e Embraer.